… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

8 de fevereiro de 1552 • Theodore Agrippa D’Aubigné, condenado à morte quatro vezes



8 de fevereiro de 1552 Theodore Agrippa D’Aubigné, 
 condenado à morte quatro vezes

Escritor e poeta francês, nascido em St. Maury, cerca de Pons, em Saintonge, neste dia, 8 de fevereiro de 1552, Théodore Agrippa d’Aubigné foi condenado à morte quatro vezes, devido à sua ligação com os huguenotes (nome dado na França aos sectários da doutrina de Calvino; protestante), e, em 1620, refugiou-se em Genebra, onde permaneceu até morrer, apesar de tudo, de morte natural! Destacam-se da sua obra o poema heróico Les Tragiques (publicado em 1616) onde ele reconta satiricamente as perseguições sofridas pelos protestantes franceses e o seu romance, igualmente satírico, Les Aventures du baron de Faeneste (publicado em 1630).

Agrippa D’Aubigné cresceu sob influências que o tornariam num forte participante nas disputas religiosas do seu tempo. Durante um tempo estudou em Genebra sob a orientação de Teodoro de Beza (1519–1605), um teólogo protestante francês que desempenhou um papel importante no início da Reforma Protestante, na Suíça de fala francesa, discípulo de João Calvino e que lhe sucedeu na liderança da Igreja em Genebra.

Mais tarde D’Aubigné abandona Genebra e une-se ao regimento huguenote. Theodore Agrippa D’Aubigné lutou com distinção nas guerras que acabaram com a ascensão de Henrique IV ao trono francês, e, apesar das suas rudes maneiras e da sua franqueza pouco política, gozou da amizade do rei Henrique IV até à morte deste. Quando o rei de Navarra, Henrique III, filho de António de Bourbon, duque de Vendôme e Joana III de Albret, rainha de Navarra, renuncia à fé em que foi criado em 25 de julho de 1593, para se tornar Henrique IV, rei de frança, do qual dizem que quando abjurou da sua fé, para se tornar rei de França, teria dito: «Paris vale bem uma missa!» Theodore Agrippa D’Aubigné retirou-se da corte e dedicou os últimos anos da sua vida a tarefas literárias. Em 1620, para escapar da ameaçadora perseguição, procurou refúgio em Genebra, onde falece em 29 de abril de 1630.

Um de seus filhos foi pai de Françoise d’Aubigné, (27 de novembro 1635, prisão de Niort—15 de abril de 1719, Saint-Cyr-l’École), marquesa de Maintenon, mais conhecida como Madame de Maintenon, que casou secretamente com Luís XIV (16381715), rei de França e de Navarra.

As obras de Theodore Agrippa D’Aubigné pouco lidas quando foram publicadas e foram quase esquecidas durante o século XVIII, mas depois foram valorizadas como fontes importantes da história francesa. Desconhecidas dos seus contemporâneos, foram redescobertas na era romântica, por Victor Hugo, e em seguida pelo crítico literário Charles-Augustin Sainte-Beuve.


****

Fontes Utilizadas:
Vários “Sítios” e enciclopédias na Internet e ainda algumas obras em papel.
Respigado daqui e dali.

Carlos António da Rocha

Este texto é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está escrito com o Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicado nem utilizado para fins comerciais; seja utilizado exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: