… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

8 de fevereiro


C. H. Spurgeon

Leituras Vespertinas

8 de fevereiro

“Ele salvará o Seu povo dos seus pecados.” (Mt 1:21, ARC, Pt)

MUITAS pessoas, se lhes fosse perguntado o que entendem por salvação, responderiam: “Ser salvos do Inferno e levados para o Céu.” Este é um dos resultados da salvação, mas não é nem a décima parte do que está contido nessa bênção. É certo que o nosso Senhor Jesus Cristo redime a todo o Seu povo da ira por vir; Ele salva-os da espantosa condenação a que os seus pecados os conduziram; porém o Seu triunfo é muito mais completo do que isto. Ele salva o Seu povo “dos seus pecados.” Oh! Querida libertação dos nossos piores inimigos. Quando Cristo obra a salvação, Ele expulsa a Satã do seu trono e não lhe permite mais ser o senhor. Nenhum homem é um verdadeiro Cristão se o pecado reina no seu corpo mortal. O pecado estará em nós — ele nunca será completamente banido até que a alma entre na glória; porém, ele jamais terá domínio. Haverá luta pelo domínio — um cobiçar contra a nova lei e o novo espírito que Deus implantou —, mas o pecado nunca dominará para ser o monarca absoluto da nossa natureza. Cristo será o dono do coração, e o pecado deve ser mortificado. O Leão da tribo de Judá prevalecerá e o dragão será expulso. Crente! Está o pecado dominado em ti? Se a tua vida não está santificada é porque o teu coração está inalterado, e tu és uma pessoa não salva. Se o Salvador não te santificou, não te renovou, dando-te ódio ao pecado e amor à santidade, Ele não tem feito nada em ti, se se tu não tens um caráter de pessoa salva. A graça que não faz um homem melhor do que outros é uma indigna impostura. Cristo salva o Seu povo não nos seus pecados, mas dos seus pecados. “Sem a santificação ninguém verá o Senhor.” “E qualquer que profere o nome de Cristo aparte-se da iniquidade.” Se não estamos salvos do pecado, como esperamos ser contados entre o Seu povo? Senhor, salva-me agora mesmo de todo o mal, e capacita-me para honrar o meu Salvador.

Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: