… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

13 de setembro

Aos Pés Do Mestre
(At the Master’s feet),
Compilado por Audie G. Lewis
das obras 
de
C. H. Spurgeon

13 de setembro – UMA CALMA COMO A DO CÉU

E, ouvindo eles isto, enfureciam-se em seus corações, e rangiam os dentes contra ele. Mas ele, estando cheio do Espírito Santo, fixando os olhos no céu, viu a glória de Deus, e Jesus, que estava à direita de Deus.” (At 7:54-55, ARC, Pt)

Os últimos momentos do Estêvão foram cheios de calma, de paz, de confiança e de gozo. Nunca se retratou ante aquela furiosa audiência. Disse-lhes a verdade completa, com tanto denodo como se tivesse estado pronunciando um discurso agradável aos seus ouvidos. Quando eles se encolerizaram, não lhes teve medo; os seus lábios não tremeram, não se retratou nem suavizou uma só das suas expressões, mas, sim, lhas aferroou até ao coração com maior fidelidade. Com a valentia de um homem de Deus, pôs o seu rosto como uma pederneira. Consciente de que estava pregando o seu último sermão, empunhou a espada de dois fios que é a Palavra de Deus, cravando-a nas próprias almas deles. Não lhe importava quanto franziam o cenho, ou como rangiam os seus dentes. Estava tão calmo como o céu que se abria em cima dele e apesar de que o tinham lançado da cidade, continuou fazendo o seu trabalho. Quando o tiraram para fora das portas e lhe tiraram a sua roupa para o executar, não pronunciou uma só expressão de temor nem um grito de medo; permaneceu firme e encomendou a sua alma a Deus com toda calma, e quando as primeiras pedras assassinas o derrubaram por terra caiu sobre os seus joelhos, não para pedir misericórdia nem para lançar um gemido, a não ser para pedir ao Senhor que tivesse misericórdia dos que o assassinavam. Logo cerrou os seus olhos como um menino cansado de brincar num dia de verão que fica adormecido no regaço de sua mãe: e «dormiu». Cristão, crê então que se permaneces em Jesus, isto mesmo acontecerá contigo.



A Bíblia, do princípio ao fim, num ano: Sl 115-118

Tradução de Carlos António da Rocha
Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: