… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

23 de setembro

Oswald Chambers 
My Utmost for His Highest
23 de setembro O objetivo do missionário

“E… disse-lhes: Eis que subimos a Jerusalém…” (Lc 18:31, ARC, Pt)

Na nossa vida natural, as nossas ambições mudam à medida que crescemos, mas na vida cristã, o objetivo é dado no início, e no início e no final é exatamente o mesmo, ou seja, o nosso próprio Senhor. Começamos com Cristo e acabamos com Ele—”... Até que todos cheguemos ... à medida da estatura completa de Cristo...” (Efésios 4:13, ARC, Pt) e não simplesmente à nossa própria ideia do que deve ser a vida cristã. O objetivo do missionário é fazer a vontade de Deus, não para ser útil ou para ganhar os perdidos. Um missionário é útil e ganha os perdidos, porém esse não é seu objetivo. O seu objetivo é fazer a vontade do seu Senhor.

Na vida de nosso Senhor, Jerusalém foi o lugar onde Ele atingiu na cruz o ponto culminante da vontade do Pai, e, a menos que vamos para lá com Jesus não temos nenhuma amizade ou comunhão com Ele. Nada jamais desviou o nosso Senhor no Seu caminho para Jerusalém. Ele nunca saiu a correr de certas aldeias onde Ele era perseguido, ou Se demorava noutras onde Ele era glorificado. Nem a gratidão nem ingratidão desviaram um milímetro o nosso Senhor do Seu propósito de ir “a Jerusalém.”

“Não é o discípulo mais do que o mestre, nem o servo mais do que o seu senhor.” (Mateus 10:24, ARC, Pt). Por outras palavras, as mesmas coisas que aconteceram com nosso Senhor acontecerão connosco no nosso caminho para a nossa “Jerusalém”. Haverá obras de Deus mostradas através de nós, pessoas serão abençoadas, e uma ou duas mostrarão gratidão, enquanto o resto mostrará total ingratidão, porém nada deve desviar-nos de subirmos “até à [nossa] Jerusalém”.

“... Ali O crucificaram ...” (Lc 23:33, ARC, Pt). Foi o que aconteceu quando o nosso Senhor chegou a Jerusalém, e esse acontecimento é a portada para a nossa salvação. Os santos, seja como for, não terminam na crucificação; pela graça do Senhor, eles terminam na glória. Entretanto o nosso lema deve ser resumido por cada um de nós, dizendo: “Eu também subo a Jerusalém.”



Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: