… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sábado, 24 de setembro de 2016

24 de setembro


Oswald Chambers 
My Utmost for His Highest
24 de setembro O “vai” da preparação

“Portanto, se trouxeres a tua oferta ao altar, e aí te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, Deixa ali, diante do altar, a tua oferta, e vai reconciliar-te primeiro com teu irmão, e, depois, vem e apresenta a tua oferta.” (Mt 5:23-24, ARC, Pt)

É fácil para nós imaginar que chegamos repentinamente a um ponto nas nossas vidas em que estamos totalmente preparados, mas a preparação não se produz subitamente. De facto, é um processo que deve ser mantido de forma constante. É perigoso tornarmo-nos acomodados e satisfeitos de nós mesmo no nosso atual nível de experiência. A vida cristã exige preparação e mais preparação.

O sentido de sacrifício na vida Cristã é imediatamente atraente para um novo Cristão. Do ponto de vista humano, a única coisa que nos atrai a Jesus Cristo é a nossa consciência do heróico e um exame rigoroso de nós feito pelas palavras de nosso Senhor que subitamente põe esta onda de entusiasmo à prova. “... Vai reconciliar-te primeiro com teu irmão ...” O “vai” da preparação é permitir que a Palavra de Deus te examine rigorosamente. O teu sentido de sacrifício heróico não é suficientemente bom. A única coisa que o Espírito Santo detetará em ti é a tua natureza, que nunca pode trabalhar no Seu serviço. E ninguém, a não ser Deus pode detetar essa natureza em ti. Tens tu alguma coisa a esconder de Deus? Se é assim, então deixa que Deus te esquadrinhe com a Sua luz. Se há pecado na tua vida, não o admitas apenas— mas confessa-o. Estás tu disposto a obedecer ao teu Senhor e Mestre, seja qual for a afronta (feita) contra os teus direitos e sobre ti mesmo?

Nunca menosprezes uma convição que o Espírito Santo te produza. Se ela é suficientemente importante para que o Espírito de Deus a tenha trazido à tua mente, é porque ela é a mesma coisa que Ele está detetando em ti. Enquanto tu estavas procurando alguma coisa grande à qual renunciar, Deus está falando-te de alguma pequena coisa a que deves renunciar. Mas por trás desta pequena coisa está a fortaleza da obstinação, e tu dizes: “Eu não quero renunciar ao meu direito sobre mim mesmo”— a verdadeira coisa a que Deus quer que tu renuncies, se é que tu pretendes ser um discípulo de Jesus Cristo.



Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: