… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

terça-feira, 8 de novembro de 2016

08 de novembro de 1889 • Oswald Smith e a missão



 8 de novembro de 1889Oswald Smith 
e a missão



Oswald J. Smith nascido neste dia, 8 de novembro de 1889, foi uma das grandes figuras cristãs na primeira metade do século XX. Com sede em Toronto no Canadá, o seu ministério “Despertar espiritual” logo se espalhou pelo mundo inteiro. As suas numerosas viagens levaram-no a pregar em mais de 70 países diferentes. Ele escreveu mais de 60 livros, traduzidos em 128 idiomas.



No seu livro “A Paixão pelas almas”, Oswald J. Smith enfatizou a perdição das almas e a necessidade de trabalhar pelo reino de Deus. Ele escreve: “A tarefa suprema da Igreja é a evangelização do mundo.”



“O livro ‘A Paixão pelas almas’ é o apelo mais poderoso em prol do reavivamento espiritual que já tive oportunidade de ler. Verdadeiramente, o Espírito de Deus guiou Oswald Smith na redação deste livro. Fosse eu milionário, poria em cada lar cristão um exemplar deste livro. Depois ficaria esperando, com plena confiança, um reavivamento que sacudiria finalmente o mundo todo.” (Jonathan Goforth)



Aqui está o que deve motivar os cristãos a evangelizar de acordo com este livro:

1. A ordem de Mateus 24: 4 e Marcos 16: 15 para pregar a Boa Nova a todas nações.

2. O amor pelos perdidos, pode ser necessário de deixar tudo para partir em missão.

3. O medo do julgamento divino Ezequiel 3: 17-19 “Eu exigirei o sangue deles da tua mão ... “

4. A volta de Cristo está ligada ao progresso do Evangelho no mundo (Marcos 13: 10)

5. A sobrevivência da Igreja depende da visão dEle (Provérbios 29: 18) – é preciso ter a visão do mundo.



A motivação que parece importante é a honra e glória de Deus: “...para que a graça, multiplicada por meio de muitos, faça abundar a ação de graças, para glória de Deus.” (2 Coríntios 4:15). É uma motivação bastante bíblica porque ela é centrada principalmente em Deus e não nos seres humanos. É o desejo de encher o Céu de adoradores. Isto é querer “ganhar para o Cordeiro a recompensa dos Seus sofrimentos” (segundo a bela expressão dos Irmãos Morávios no século XVIII), um termo que ecoa em Isaías 53:10: “quando a sua alma se puser por expiação do pecado, verá a sua posteridade, prolongará os dias; e o bom prazer do Senhor prosperará na sua mão.”



Podemos acrescentar algumas razões adicionais:

– Cristo edificou a Sua Igreja e eu sou obreiro com Ele (Mateus 16:18 e I Coríntios 3:9)

– Cristo quer que todos sejam salvos (I Timóteo 2:4). Devo ter o mesmo desejo e associar-me com Ele e orar-Lhe para que Ele envie trabalhadores para a Sua messe (Mt 9:37-38).

– Eu procuro que haja alegria no Céu por levar alguém para lá através do novo Nascimento (Lucas 15:7).

– Porque a Bíblia comunica-nos a verdade.



Eis ainda um trecho do mesmo livro “A Paixão pelas almas” de Oswald J. Smith : «“Esforcemo-nos por todos os meios por levar o Evangelho de Cristo às massas, tanto no âmbito nacional como no estrangeiro, no menor prazo possível”. Afinal de contas, esse é nosso alvo principal. Para ter precisamos de dar. Para colher precisamos de distribuir. Foi para isto que Cristo veio, viveu, morreu, ressuscitou e enviou o Espírito Santo. Essa é a suprema tarefa da Igreja. É por esse motivo que existimos. A nossa tarefa primordial consiste em anunciar o Evangelho, propagando-o por todos os meios legítimos. Em especial, compete-nos levar o Evangelho às massas que ainda não têm Cristo. Precisamos de estar altruisticamente interessados em levá-lo, por semelhante modo, aos campos estrangeiros, e não só ao nosso país. É justamente seguindo o programa de nosso Senhor, que consiste em pregar o Evangelho “em todo o mundo, em testemunho a todas as nações” (Mateus 24:14), que poderemos abreviar a Sua vinda, visto que Deus está visitando os gentios a fim de “... tomar dentre eles um povo para seu nome” (Atos 15:14).


Ó, que visão arrebatadora! Que chamada tremenda! É um trabalho magnífico! Como pode alguém criticar malevolamente um programa como este? Haverá alguém que ame ao Senhor e que advogue os grandes princípios fundamentais da fé, e que apesar disso se recuse a dar cem por cento de apoio a esta causa? Deveríamos louvar a Deus por um evangelismo salutar e bíblico, rogar-lhe um reavivamento que inflame as almas, uma chama que venha não do homem nem da vontade da carne, e sim, de Deus.

Com toda fé no Senhor, lancemo-nos ao evangelismo. Mantenhamo-nos firmes neste trabalho, sem cansaço, para que os homens tenham a oportunidade de ouvir o Evangelho, e venham a ser salvos. Que os ministros do Evangelho, os verdadeiros ministros de Deus, se dediquem ao evangelismo nos seus próprios púlpitos. Que façam das suas igrejas centros ativos de evangelização, pois Deus abençoa a pregação do Evangelho de uma forma muitíssimo especial. Ele colocará o Seu selo de aprovação sobre o evangelismo, sob a forma de salvação de almas, de restauração de desviados, e de edificação dos crentes, porquanto o evangelismo continua sendo a prioridade número um.”



“Parece que apenas uma vez em cada geração, Deus ergue um homem com tantos dons e talentos. Nenhum outro homem dos nossos dias está mais qualificado para escrever acerca da paixão pelas almas que Oswald Smith. Os seus livros têm sido usados pelo Espírito Santo para gravar algo precioso, como com ferro em brasa, no mais profundo da minha alma, e têm exercido uma extraordinária influência sobre a minha vida e meu ministério.” (Billy Graham)

****

Fontes Utilizadas:
Vários “Sítios” e enciclopédias na Internet e ainda algumas obras em papel.
Respigado daqui e dali.

Carlos António da Rocha

Este texto é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está escrito com o Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicado nem utilizado para fins comerciais; seja utilizado exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: