… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

21 de novembro de 1866 • Tiyo Soga acaba a traução do ‘Pilgrim's Progress’ (‘O Peregrino’ de João Bunyan) para Xhosa


21 de novembro de 1866 Tiyo Soga 



acaba a tradução do ‘Pilgrim's Progress’ (‘O Peregrino’ de João Bunyan) para Xhosa
Certamente já deveis ter ouvido queixas sobre a baixa qualificação académica de alguns professores em todo o mundo, que até reprovaram nos seus exames básicos. As competências pedagógicas de Tiyo Soga (na imagem) eram muito reduzidas quando ele começou a ensinar crianças sul-africanas. Isso levou-o depressa à humilhação.

Anos antes, um missionário escocês, James Stewart, tinha fundado uma estação missionária chamada Lovedale, que era dedicada ao ensino de competências (habilidades, saberes) práticas aos africanos. Nesta missão de Lovedale realizava-se uma prova competitiva e o "Kafir" melhor qualificado era admitido gratuitamente na escola. O professor de Tiyo, o Rev. Chalmers decidiu que o seu jovem pupilo entrasse nessa competição.

Foi-lhe dado um problema de subtracção simples para que ele o resolvesse, Tiyo olhou com espanto para os números no quadro negro. O examinador sentiu simpatia pelo jovem. "Começa a operação de baixo para cima ", sugeriu-lhe o examinador. A mente de Tiyo iluminou-se. Isso ele entendeu! Ele molhou o dedo e apagou a linha da operação! Imediatamente foi recambiado para Tyumi, reprovado!

William Chalmers era um homem sábio, que via além das aparências. Convencido de que Tiyo estava acima da média em qualidades morais e espirituais, ele falou com o encarregado da missão de Lovedale, e convenceu-o a admitir Tiyo, apesar do seu péssimo desempenho no exame de admissão.

Tiyo acabou por dar razão à confiança posta nele por William Chalmers. Por constante e dura aplicação tornou-se no segundo melhor estudante das suas turmas, exceto em matemática. Era capaz de recitar metade do ‘Catecismo Menor’, em Inglês, com pontos e vírgulas, sem um único erro. No seu devido tempo, ele foi estudar na Escócia, onde a sua vida espiritual e académica ficaram muito acima de todas as melhores expectativas.

De volta a África, Tiyo trabalhou a ponto de perder a sua saúde: no ensino, na pregação do santo Evangelho e levantando dinheiro para a construção de um templo. Passava os dias andando pelas picadas, andando de ‘kraal’ para ‘kraal’, semeando e espalhando o Evangelho, e enfrentando chefes ímpios. Nesta situação a sua vida estava propensa à tuberculose. E sob a grande tensão de trabalho e em precárias condições de vida, ele contraiu a doença mortal. Apesar da sua saúde debilitada, ele assumiu novas tarefas para o bem espiritual das almas dos africanos. Por amor do seu povo, ele abandonou uma estação missionária que havia construído com grande custo para si mesmo, para se deslocar mais para o interior do país, para estar entre os africanos mais intestinos e por isso mais inacessíveis ao Evangelho.

Durante todo esse tempo, trabalhou numa tradução de ‘O Peregrino’ para Xhosa, adaptando a história às experiências diárias das pessoas que falavam aquela língua. O encanto daquela maravilhosa obra é atribuída ao interesse de uma história onde a intensa imaginação do escritor cria personagens, incidentes, e cenas vivas na mente dos seus leitores como coisas conhecidas e relembradas por eles mesmos, pelos seus toques de ternura e de humor, na impressionante e comovente eloquência de João Bunyam. Tiyo Soga acreditava que o livro, com as suas imagens muito vivas, faria mais por ganhar almas do que qualquer outro livro que ele pudesse preparar ou redigir. Neste dia, 21 de novembro de 1866, ele completa-o. ‘O Peregrino’ teve o impacto que ele esperava, e a sua tradução continua sendo um tesouro da igreja sul africana.

Tiyo também auxiliou na revisão da Bíblia para "Kafir". Quando ele faleceu de tuberculose em 12 de agosto de 1871, a tradução dos Quatro Evangelhos estava completa. Ele tinha apenas quarenta e dois anos quando foi para o Pai, tendo gasto a sua vida temerariamente por Cristo. Ele provou que a falha inicial pode estimular o sucesso final!

Tiyo Soga foi o primeiro pastor africano a ser ordenado no ministério da Igreja Presbiteriana, na África do Sul. Nasceu em Gwali em 1829, na época em que o Chefe Makoma foi expulso de Kat River. Era filho de Jotello (um dos chefes conselheiros do Chefe Nggika) e de Nosuthu (a 'grande esposa' de Soga).

Notas:
Kafir - Este termo era comummente utilizado naquela época na África do Sul. "Kafir" provém de uma palavra árabe que significa "infiel" e era (é) ofensiva para os sul-africanos. “Kafir”, em português significa: - cafre: negro banto; língua banta.
picada - caminho estreito através do mato.
Kraal - n. pequena aldeia sul-africana rodeada por uma vedação.

****

Fontes Utilizadas:
Vários “Sítios” e enciclopédias na Internet e ainda algumas obras em papel.
Respigado daqui e dali.

Carlos António da Rocha

Este texto é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está escrito com o Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicado nem utilizado para fins comerciais; seja utilizado exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: