… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

3 de novembro


C. H. Spurgeon
Livro de Cheques do Banco da Fé
3 de novembro



“Porque a visão é ainda para o tempo determinado, mas se apressa para o fim, e não enganará; se tardar, espera-o, porque certamente virá, não tardará.” (Hc 2:3, ARC, Pt)

A misericórdia poderá parecer demorada, mas é segura. O Senhor estabeleceu, com sabedoria infalível, um tempo para as saídas de Seu poder cheio de graça, e o tempo de Deus é o melhor tempo. Nós temos pressa; a visão da bênção estimula o nosso desejo, e acelera os nossos anelos; mas o Senhor guardará Seus os decretos. Ele nunca se adianta; Ele nunca se atrasa.

Diz-se aqui que a Palavra de Deus é algo vivo que falará, e que virá. Não é letra morta, como algumas vezes somos tentados a pensar, quando temos de espera longo tempo pelo seu cumprimento. A Palavra viva vem do Deus Vivo, e ainda que pareça tardar, não é realmente assim. O comboio de Deus não está atrasado. Só temos de ter paciência, e depressa veremos por nós mesmos a fidelidade do Senhor. Nenhuma das Suas promessas falhará; “não mentirá.” Nenhuma das Suas promessas se perderá em silêncio: “ao fim falará.” Que palavras de consolo falarão ao ouvido do crente! Nenhuma das Suas promessas precisará de ser renovada, como um cheque que não pode ser pago no dia do vencimento: Ele “não tardará.”

Vem, minha alma, não podes esperar pelo teu Deus? Repousa nEle e fica tranquila com paz inefável.

Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: