… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

4 de novembro


William MacDonald
Um dia de cada vez
4 de novembro

“Nisto são manifestos os filhos de Deus, e os filhos do diabo. Qualquer que não pratica a justiça, e não ama a seu irmão, não é de Deus.” (1Jo 3:10, ARC, Pt)

Antigamente em cada lar (nos Estados Unidos) havia na sala um grande álbum familiar forrado de pele e bordado a ouro. Uma fita de pele com um broche estendia-se da borda direita da pasta, de baixo para cima, do lado direito da coberta onde o broche se assegurava. As páginas eram de cartão rígido brilhante, adornadas com motivos florais e fios dourados. De cada lado da página havia secções recortadas onde se inseriam as fotografias. Quando os visitantes folheavam o álbum frequentemente faziam uma observação, como: “o Jorge é parecido com o seu avô” ou “a Magda sem dúvida tem o ar da família.”

“A Primeira Epístola de João” recorda esse velho álbum familiar porque descreve aqueles que são membros da família de Deus e que têm a parecença familiar. Não obstante, aqui falamos de parecença espiritual e moral em lugar da física.

Os Cristãos verdadeiros manifestam pelo menos oito características que lhes dão essa “parecença” espiritual. A primeira é que todos eles dizem o mesmo a respeito de Jesus. Confessam que Ele é o Cristo, quer dizer, o Messias ou Ungido (1Jo 4:2; 5:1). Para eles Jesus e Cristo são uma e a mesma Pessoa.

Todo verdadeiro o Cristão ama a Deus (1Jo 5:2). Mesmo que esse amor possa ser débil e vacilante, não há um momento no qual um crente não possa olhar o rosto de Deus e dizer: “Tu sabes que Te amo.” Todos os crentes amam os irmãos (1Jo 2:10; 1Jo 3:10,14; 1Jo 4:7,12). Este é o selo de todos os que passaram da morte para a vida. Porque amam a Deus, amam aos que são nascidos de Deus.

Aqueles que amam a Deus guardam especialmente os Seus mandamentos (1Jo 3:24). A sua obediência está motivada não por temor ao castigo, mas sim por amor a Ele, que tudo deu por eles.

Os Cristãos não praticam o pecado (1Jo 3:6,9; 1Jo 5:18). Certo, cometem actos de pecado, porém o pecado não é o poder dominante nas suas vidas. Não estão sem pecado, mas pecam menos. Os membros da família de Deus praticam a justiça (1Jo 2:29; 1Jo 3:7). Não é só que não pecam habitualmente, isso poderia ser negativo e passivo. Alcançam os demais com acções de justiça: isso é positivo e activo.

A sétima característica dos membros da família de Deus é que não amam o mundo nem o que está no mundo (1Jo 2:15). Dão-se conta de que o mundo é um sistema que o homem construiu em oposição a Deus e que ser amigo do mundo é constituir-se inimigo de Deus.

Finalmente, os Cristãos vencem o mundo por meio da fé (1Jo 5:4). Para lá do engano das coisas passageiras, vêem as coisas eternas. Vivem para as coisas que não se vêem.

Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: