… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

14 de dezembro



Aos Pés Do Mestre
(At the Master’s feet),
Compilado por Audie G. Lewis
das obras de
C. H. Spurgeon

14 de dezembro - A INIMIZADE DE DEUS
“Quanto a mim, os meus pés quase que se desviaram; pouco faltou para que escorregassem os meus passos. Pois eu tinha inveja dos soberbos, ao ver a prosperidade dos ímpios.” (Sl 73:2-3, ARC, Pt)

Quando Deus Se converte em inimigo de um homem e luta contra ele, este está num grande apuro. Com outros inimigos podemos lutar com alguma esperança de ter êxito, mas não com o Omnipotente. Inimizar-se com outros é aflição, mas inimizar-se com Deus é destruição. Se Ele resulta ser nosso inimigo, então tudo se volta contra nós. “Se Deus é por nós, quem será contra nós?” (Romanos 8:31). Mas, se Deus está contra nós, quem pode estar da nossa parte?



Os homens podem tentar persuadir-se de que lhes não importa Deus, que não tem importância para Ele como os homens atuem, quer guardem ou quebrantem as Suas leis. Os homens podem alegar que “Ele é benigno, até, para com os ingratos e maus” (Lucas 6:35), e que o mesmo acontece tanto aos justos como aos malvados; e por agora assim parece (ser) na verdade. A limitação da nossa vista até pode assegurar-nos que os ímpios prosperam e levam a melhor parte, mas isto é somente devido à nossa cegueira.



Deus detesta o pecado agora e sempre. Não seria Deus se assim não fora. Deus sente uma justa indignação contra toda a espécie de mal: isto motiva a ira no Seu Espírito. Alguns crêem num Deus impassível mas não há dúvida alguma de que o Deus da Bíblia nunca Ele é descrito assim. As Santas Escrituras apresentam-nO à maneira dos homens. Se O apresentassem à maneira de Deus, nem tu nem eu poderíamos entender nada dessa descrição; porém, segundo nos é apresentado nas Escrituras, o Senhor adverte do pecado, sente-o, zanga-se com ele, o pecado enoja-O e o Seu Espírito Santo exaspera-Se ante a rebelião dos homens.



A Bíblia, do princípio ao fim, num ano: Os 12-14

Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: