… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sábado, 24 de dezembro de 2016

24 de dezembro de 1968 • “In the beginning, God...”



24 de dezembro de 1968 “In the beginning, God...”


Durante a nona órbita à volta da Lua, os astronautas enviaram fotografias para a Terra, descrevendo a sua admiração pela desolação da Lua e pela beleza da Terra. A fotografia de Borman da Terra, meia suspensa acima do horizonte da Lua, é a fotografia mais famosa de sempre tirada do espaço, a qual os correios dos EUA imitiram num selo postal (na imagem).



Na sua autobiografia, Frank Borman, o comandante da missão da NASA, Apollo 8, em 1968, recorda que “Havia uma coisa mais que queria transmitir … O nosso sentimento de proximidade com o Criador de todas as coisas. Era a véspera de Natal, 24 de dezembro de 1968, e eu entreguei a Jim e Bill os versículos das Sagradas Escrituras.”



Bill Anders lê Génesis 1:1-4. “No princípio, criou Deus os céus e a terra. E a terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas. E disse Deus: Haja luz. E houve luz. E viu Deus que era boa a luz; e fez Deus separação entre a luz e as trevas.”



Jim Lovell leu os próximos quatro versículos de Génesis. “E Deus chamou à luz Dia; e às trevas chamou Noite. E foi a tarde e a manhã: o dia primeiro. E disse Deus: Haja uma expansão no meio das águas, e haja separação entre águas e águas. E fez Deus a expansão e fez separação entre as águas que estavam debaixo da expansão e as águas que estavam sobre a expansão. E assim foi. 8E chamou Deus à expansão Céus; e foi a tarde e a manhã: o dia segundo.”...



Frank Borman conclui com a leitura até ao versículo 10: “E disse Deus: Ajuntem-se as águas debaixo dos céus num lugar; e apareça a porção seca. E assim foi. 10E chamou Deus à porção seca Terra; e ao ajuntamento das águas chamou Mares. E viu Deus que era bom.“



Em seguida Borman ora: Dá-nos, ó Deus, uma visão que possa ver o Teu amor no mundo, apesar da falha humana. Dá-nos a fé para confiarmos na bondade do Espírito, apesar da nossa ignorância e fraqueza. Dá-nos o entendimento para que possamos continuar a orar com um coração compreensivo, e mostra-nos o que cada um de nós possa fazer para que haja paz em todo o Universo. Ámen.”



Borman termina a emissão, dizendo “E a partir da nave espacial Apollo 8, acabamos com votos de uma boa noite, boa sorte, um Feliz Natal, e que  Deus vos abençoe a todos, na boa e velha Terra.”



Fora neste dia, 24 de dezembro de 1968, que a nave espacial Apollo 8, levando a bordo James A. Lovell, William Anders e Frank Borman, fez dez órbitas ao redor da Lua, preparando o caminho à missão Apollo XI, e o primeiro passo de Neil Armstrong, o comandante daquela missão, na Lua, no ano seguinte.



A Apollo 8, foi a segunda missão tripulada do Projeto Apollo. A missão iniciara-se em 21 de dezembro de 1968 com o seu lançamento. E, apesar do risco da missão, porque o Módulo Lunar não havia sido ainda testado, terminou com sucesso em 27 de dezembro de 1968, quando o Módulo Lunar a cair no mar.



Entretanto foi durante esta missão que o homem viu pela primeira vez diretamente o “lado escuro” da Lua. E também quando ocorreu a primeira celebração do Natal no espaço, durante o qual a tripulação leu os primeiros dez versículos do Livro de Génesis, que foi transmitida pela televisão.




E a esta propósito lembro-me de Iuri Gagarin, o cosmonauta russo que a bordo da cápsula do foguete “Soyuz-R-7″, anteriormente, no dia 12 de abril de 1961 quando era o primeiro Homem andando n’ “o silêncio eterno de espaços infinitos” (como Blaisse de Pascal se referia ao Universo) apenas teve olhos para ver que a “A Terra é azul” e que porque não tinha os olhos da fé, ele afirmou, muito convencido da verdade do que dizia, que “Olhei para todos os lados, mas não vi Deus”! E nós, … vemos a Deus?

****

Fontes Utilizadas:

Vários “Sítios” e enciclopédias na Internet e ainda algumas obras em papel.

Respigado daqui e dali.

Carlos António da Rocha

Este texto é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está escrito com o Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicado nem utilizado para fins comerciais; seja utilizado exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: