… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sábado, 31 de dezembro de 2016

31 de dezembro de 2000 • Ken Pike, missionário linguista norte-americano



31 de dezembro de 2000 Ken Pike, 
missionário linguista norte-americano

Em 1928, quando Ken tinha dezasseis anos, seu pai contraiu uma infeção que quase o matou. O rapaz, que naquela época estava trabalhando num supermercado, prometeu a Deus que se tornaria ministro se o seu pai se curasse. Quando o seu pai recuperou a saúde, Ken sabia que tinha de cumprir a sua promessa.



Kenneth Lee Pike era um dos filhos da numerosa prole de um médico rural norte-americano. Tinha nascido em 9 de junho de 1912, em Woodstock, no Connecticut. Também conhecido como Ken Pike, foi um eminente linguista e antropólogo norte-americano. Foi o criador da teoria das tagmêmicas e cunhou os termos “emic” e “etic”.



Naquela época, ele era muito inseguro nas suas relações sociais. Ele nem sequer teve a coragem de escrever um currículo seu para enviar às universidades onde pretendia estudar. Foi a sua mãe que fez isso por ele. Finalmente, foi aceito pelo Gordon College e então teve de trabalhar na cozinha para pagar a propina dos estudos. Depois, já se sentia mais à vontade na sua interação social e até se tornou no chefe da equipa de cozinha no Gordon College.



Todavia, quando ele se candidatou como missionário para a Missão Interior da China, a missão que Hudson Taylor fundara, foi rejeitado. Embora pareça incrível, aquele que viria a ser um dos mais ilustres linguistas do século XX, foi rejeitado pela sua dificuldade com as línguas!



Sem saber o que fazer, naquela ocasião, lá conseguiu arranjar um emprego como pulverizador de árvores, em que aplicava um inseticida contra as borboletas das lagartas.



Não obstante, Ken Pike não se deixou intimidar nem abater por esta negativa e solicitou lugar noutras organizações missionárias. De todas elas somente uma lhe respondeu: a que mais tarde se chamaria Wycliffe Bible Translators, que o convidava a assistir ao seu acampamento para linguistas. Este acampamento seria a origem do SIL (Summer Institute of Linguistics). Ali, em 1935, conheceu Cameron Townsend e ali nasceria uma amizade e colaboração que duraria até à morte de “Tio Cam”, que era como Cameron Townsend era conhecido por aqueles que lidavam mais de perto com ele. É que Cameron Townsend, o líder da Wycliffe, vira algo no jovem que ninguém mais descortinara.



Depois deste acampamento, Pike foi para México a fim de estudar o mixteco. Este é um idioma tonal, em que a dificuldade radica no significado das palavras que varia segundo o tom dado às mesmas. Depois de passar horas com um nativo falante, Pike chegou à conclusão que o mixteco tinha três níveis tonais: o alto, o baixo e o médio.



No ano seguinte, Pike voltou para o Acampamento Wycliffe, mas desta vez como professor, começando assim uma frutífera carreira linguística. No seu segundo ano de estadia no México, Pike teve um acidente e durante a convalescença escreveu um livro intitulado “Fonética” que depois usou como tese para o seu doutoramento e que lhe trouxe reconhecimento e fama, até ao dia de hoje.



Depois de terminados os seus estudos e obtido o seu doutorado na Universidade de Michigan, Pike, já casado com Evelyn, uma sobrinha de Cameron Townsend, voltou para o México em 1941, para a sua tarefa principal: traduzir a Bíblia para o mixteco. E, dez anos depois, em 1951, termina a tradução e publica o Novo Testamento na língua mixteco.



A partir daí o trabalho de Kenneth Pike centrou-se na preparação de jovens linguistas que tinham de pôr por escrito línguas que ainda não estavam registadas e fazer as suas respetivas traduções. Por exemplo, em 1960, encontramos Ken Pike na Papua-Nova Guiné instruindo e aconselhando tradutores em 22 idiomas!



E, na sua carreira de linguista, não posso de deixar de lembrar o seu importantíssimo contributo para o estudo e tradução das línguas indígenas ainda não registadas ou escritas na Austrália, na Bolívia, no Equador, no Gana, no México, como já foi referido com o caso da língua mixteca, no Nepal, na Nova Guiné, na Nigéria, nas Filipinas e até no Peru!



E em 1980, finalmente, Ken Pike pôde realizar a viagem que tanto tinha desejado fazer quando era jovem: ir à China. Ali proferiu uma série de conferências sapientes no Instituto de Línguas Estrangeiras de Pequim.



Depois de se doutorar, Pike tornou-se presidente da Sociedade Internacional de Linguística (SIL). A principal função desta Sociedade Internacional de Linguística (SIL) era produzir traduções da Bíblia em idiomas sem representação escrita. Foi presidente da SIL Internacional entre os anos de 1942 e 1979.



Paralelamente ao seu cargo na SIL, Pike trabalhou 30 anos na Universidade de Michigan, e durante esse tempo foi presidente do departamento de linguística da universidade, professor de linguística, diretor do Instituto de Língua Inglesa (foi o pioneiro no campo da aprendizagem e do ensino do Inglês como segunda língua) e mais tarde professor emérito da universidade.



Pike foi membro da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos, da Sociedade de Linguística da América (LSA), da Associação Linguística do Canadá e dos Estados Unidos (LACUS), e da Associação Antropológica Americana. Foi presidente da LSA e da LACUS.



Ken Pike viu reconhecido o seu trabalho como linguista e por isso em 6 de julho de 1993 é premiado com o “doutoramento honoris causa” em Filosofia pela Universidade de Freiburg, Albert Ludwig. Mas, o grande reconhecimento académico viera-lhe da Sorbonne que a 9 de dezembro de 1978 o fizera “Doutor honoris causa”!



Finalmente o rapaz tímido que quis ser missionário entre os chineses e que não conseguiu, morre (eu diria que ele foi escutar as “línguas” de louvor daqueles que nós desconhecemos que adoram e amaram o ”Deus Desconhecido” no Céu!) neste dia, 31 de dezembro de 2000, aos 88 anos em Dallas, no Texas. Quem diria a Ken Pike que ele haveria de ser o instrumento de Deus para missionar a tantos povos!



Finalmente o rapaz tímido que quis ser missionário entre os chineses e que não conseguiu, morre (eu diria que ele foi escutar, embebecido, as “línguas” de louvor daqueles que adoraram e amaram o ”Deus Desconhecido” que ele tornara “Senhor e Salvador” deles, no Céu!) neste dia, 31 de dezembro de 2000, aos 88 anos em Dallas, no Texas. Quem diria a Ken Pike que ele haveria de ser o instrumento de Deus para ser o missionário de tantos povos e línguas!


****

Fontes Utilizadas:

Vários “Sítios” e enciclopédias na Internet e ainda algumas obras em papel.

Respigado daqui e dali.

Carlos António da Rocha



Este texto é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está escrito com o Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicado nem utilizado para fins comerciais; seja utilizado exclusivamente para uso e desfruto pessoal.


Sem comentários: