… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

5 de dezembro


Aos Pés Do Mestre
(At the Master’s feet),
Compilado por Audie G. Lewis
das obras de
C. H. Spurgeon

5 de dezembro - A FAVOR DE OUTROS

ADMOESTO-TE, pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões e ações de graças, por todos os homens.” (1Tm 2:1, ARC, Pt)

É um grande privilégio que nos seja permitido orar pelos nossos semelhantes. Em cada caso é necessário que a oração comece com petições pessoais já que até que Deus não aceite o homem, este não pode atuar como intercessor por outros e aqui jaz parte da excelência da oração intercessora, porque esta é, para quem a exercita, uma marca correta de graça interior e um sinal de bem da parte do Senhor. Podes estar seguro que o teu Rei te ama se te permite pronunciar palavras a favor do teu amigo. Aquele que em resposta à sua intercessão tem visto a outros abençoados e salvos, pode tomar isso como uma garantia do amor divino e regozijar-se na condescendente graça de Deus. Uma oração assim sobe mais alto do que qualquer petição por nós mesmos, porque só aquele que tem o favor do Senhor pode aventurar-se a suplicar pelos outros.

A oração intercessora é um ato de comunhão com Cristo, porque Jesus suplica pelos filhos dos homens. É parte da Sua função sacerdotal interceder pelo Seu povo. Ele subiu ao alto para isto e continuamente exerce esta função no lugar sagrado. Quando oramos pelos pecadores, estamos de acordo com o nosso divino Salvador o Qual faz intercessão por todos os transgressores.



A Bíblia, do princípio ao fim, num ano: Ez 41-44


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: