… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

7 de dezembro


C. H. Spurgeon
Leituras Matutinas
7 de dezembro

“Deus escolheu as coisas vis deste mundo.” (1Co 1:28, ARC, Pt)
VAI pelas ruas à luz da Lua, se te atreveres, e, então, verás pecadores. Olha com atenção, quando a noite é escura, e o vento está uivando, e a gazua range na porta, e tu verás pecadores, então. Vai ao cárcere, e olha para os homens que têm sobrancelhas espessas e ameaçadoras, e ali, verás pecadores. Vai aos reformatórios, e observa aos que exibem uma desenfreada perversão juvenil, e ali, verás pecadores. Cruza os mares e vê o lugar onde um homem rói um osso sobre o qual fumega carne humana, e ali, terás pecadores. Vai aonde queiras; não precisas de explorar a Terra para achar pecadores, pois abundam em todas as partes. Podes achá-los nas vielas ou nas ruas de qualquer cidade, povoação, vila ou aldeia. É pelos tais que Jesus morreu. Se me trouxeres o mais vil de todos os pecadores, até dele terei esperança, porque Jesus Cristo veio buscar e a salvar os pecadores. O amor escolheu a alguns dos piores para transformá-los nos melhores. Os seixos do regato da graça transformam-se em jóias para a coroa do Rei. Deus transforma em ouro puro a inútil escória. O amor redentor apartou a muitos dos piores pecadores para que constituam o galardão da Paixão do Salvador. A graça eficaz chama muitos dos mais vis entre os vis, para que se sentem à mesa da misericórdia, por essa razão, que nem um perca a esperança.

Leitor, pelo amor que arranca lágrimas dos olhos de Jesus; pelo amor jorrando daquelas feridas sangrando; por aquele amor fiel, por aquele amor forte, por aquele amor puro, desinteressado e permanente amor; pelo coração e pelas entranhas da compaixão do Salvador, nós conjuramos-te a que não acabes esta leitura, como se isto nada signifique para ti, mas crê nEle agora, e serás salvo. Confia-Lhe a tua alma a Ele, e Ele levar-te-á para a mão direita de Seu Pai, na glória eterna.

Tradução de Carlos António da Rocha

****
Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: