… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

9 de dezembro



Oswald Chambers 
My Utmost for His Highest

9 de dezembro “A oposição do natural”

“Os que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências.” (Gl 5:24, ARC, Pt)

 

A vida natural em si mesma não é pecado. Mas temos de abandonar o pecado, não tendo, de qualquer modo, nada a ver com ele. O pecado pertence ao inferno e ao diabo. Eu, como um filho de Deus, pertenço ao céu e a Deus. Não é uma questão de resignação ao pecado, mas de resignação ao meu direito sobre mim mesmo, à minha independência natural, e à minha própria vontade. Este é o local onde a batalha tem de ser travada. As coisas que são corretas, nobres e boas, do ponto de vista natural, são as coisas que nos afastam do melhor que há em Deus. Logo que chegamos a compreender que a excelência moral natural se opõe ou neutraliza a rendição a Deus, nós trazemos a nossa alma para o centro da sua maior batalha. Muito poucos de nós discutiremos sobre o que é imoral, mau e erróneo, mas discutimos sobre o que é bom. É o bom que se opõe ao melhor. Quanto mais alto uma pessoa vai na escala da excelência moral, mais intensa é a oposição a Jesus Cristo. “Os que são de Cristo crucificaram a carne...” O custo para a tua vida natural não é apenas uma ou duas coisas, mas tudo. Jesus disse: “Se alguém quiser vir após Mim, renuncie-se a si mesmo...” (Mateus 16:24). Ou seja, tem de renunciar ao seu direito sobre si mesmo, e precisa perceber quem é Jesus Cristo antes de ser levado a fazê-lo. Cuidado com a recusa de ires ao funeral da tua própria independência.


 


A vida natural não é espiritual, e ela só pode ser tornada espiritual através do sacrifício. Se nós não sacrificamos propositadamente o natural, o sobrenatural nunca poderá tornar-se natural para nós. Não há caminho fácil ou difícil. Cada um de nós tem nas suas próprias mãos os meios para o realizar completamente. Não é uma questão de orar, mas de sacrifício, e, por esse meio, realizar a Sua vontade.




Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: