… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

9 de janeiro de 1548 • Matthäus Zell, Reformador na cidade de Estrasburgo



9 de janeiro de 1548 Matthäus Zell, 
Reformador na cidade de Estrasburgo

Matthäus Zell nasceu em Kaisersberg em 21 de setembro de 1477 e morreu em Estrasburgo, aos 71 anos, neste dia, 9 de janeiro de 1548. Filho de um produtor de vinho, estudou nas Universidades de Mainz, Erfurt e Freiburg im Breisgau. E começou a dar aulas nesta última Unsiverdade em 1511, da qual se tornaria reitor em 1517.



Não sabemos porque deixou o cargo de reitor da Universidade. Mas depois iria para Itália, onde viveria durante algum tempo na Itália, e serviu no exército de Maximiliano I (1459-1519) contra os suíços. No entanto, no decurso do ano seguinte, em 1518, foi chamado para ser ministro e Pregador na catedral de Estrasburgo.



Em 1521 abraçou os princípios da Reforma e começou a pregar no espírito evangélico. Como Pregador da Reforma na Catedral de Estrasburgo, teve de enfrentar as acusações feitas contra ele pelo bispo, o qual, ciente do perigo da sua pregação, faz de tudo para o afastar do lugar. A autoridade eclesiástica formula contra ele uma lista de 24 itens de acusação. Os magistrados e o povo protegeram-no contra os ataques dos sacerdotes e monges. Zell replica às acusações feitas contra ele pelo bispo de Estrasburgo por volta da Páscoa de 1523 através do opúsculo “Christlichen Verantwortung“ (Responsabilidade Cristã), que é a primeira obra que trata da Reforma, em Estrasburgo.



Neste documento: “Christlichen Verantwortung“ (Responsabilidade Cristã), Zell aborda a questão do clero e do poder eclesiástico, em que procura obter o apoio dos seus amigos pregadores reformados contra os abusos do clero. Também se refere à justificação pela fé, que de acordo com Zell, é o fundamento necessário para que um clero renovado anuncie fielmente a Palavra de Deus, sem reivindicar qualquer tipo de poder espiritual, e que não cometa abusos, que era o que vinha acontecendo habitualmente até então pelos clérigos no exercício das suas funções.



Ainda neste mesmo ano de 1523, Matthäus Zell hospeda fraternalmente em sua casa, Martin Bucer (1491-1551), que havia sido excomungado pelo bispo de Speyer, juntamente com Heinrich Motherer, por causa da sua atividade reformadora na cidade de Wissembourg. E que obra a favor do Evangelho desenvolveria Martin Bucer nesta cidade de Estrasburgo! Aqui se juntou a um grupo de Reformadores que incluía Wolfgang Capito, Caspar Hédio e o próprio Matthäus Zell. Martin Bucer agiria como mediador entre os dois principais reformadores, Martinho Lutero e Ulrico Zuínglio, que divergiam sobre a doutrina da Santa Ceia. Mais tarde, Bucer procuraria obter um acordo comum sobre os artigos de fé, que ficaria conhecida como a Confissão de Tetrapolitana ou Concórdia de Wittenberg.



Entretanto na cidade de Estrasburgo a Reforma ia por diante, casando-os sacerdotes e tomando o próprio Zell como esposa Katharina Schütz Zell (1497-1562) ainda em dezembro desse mesmo ano de 1523. Matthäus Zell foi um dos primeiros sacerdotes a ser excomungado por se ter casado. Quando quatro meses mais tarde o bispo de Estrasburgo acabaria por proibir o casamento dos sacerdotes, Zell respondeu-lhe no seu “Appellatio sacerdotum maritorum”, já no ano de 1524.



Matthäus Zell foi muito influenciado pelo seu contemporâneo Johann Geiler von Kaysersberg (1445-1510). Compartilhou das lutas a favor da implementação e implantação da Reforma em Estrasburgo, de que foi o primeiro pastor, como seguidor das doutrinas de Lutero. Devido aos seus atos piedosos e à sua habilidade em dialogar ganhou o respeito de muitos dos seus contemporâneos. Foi o primeiro pastor luterano a celebrar a “missa” em alemão, em Estrasburgo, sendo-lhe por isso movidas muitas perseguições pelas autoridades católicas. Não estava inclinado à dialética teológica nem à formulação dogmática, não sendo, em sentido estrito, nem um erudito nem tampouco um político, estando a disciplina severa longe das suas ideias. Desta maneira evitou cair nas lutas fratricidas em que muitos dos Reformadores seus contemporâneos caíram. A maneira santificada e muito singela como vivia a vida cristã, fruto de uma fé sincera e viva no seu Senhor e Salvador Jesus Cristo, tornava-o amigo e amado pelos crentes e pelo povo comum da cidade, e, inclusivamente, tratava bondosamente os cristãos anabaptistas! Os seus interesses estavam muito para além da própria cidade de Estrasburgo onde exercia o seu múnus pastoral e as suas opiniões e conselhos foram sempre dadas na direção da paz. Esteve especialmente interessado na educação cristã do pequeno rebanho reformado de Estrasburgo e publicou vários opúsculos em forma dialogada, que foram recolhidos em “Frag und Antwort” e publicados em 1536.



****

Fontes Utilizadas:
Vários “Sítios” e enciclopédias na Internet e ainda algumas obras em papel.
Respigado daqui e dali.

Carlos António da Rocha

Este texto é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está escrito com o Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicado nem utilizado para fins comerciais; seja utilizado exclusivamente para uso e desfruto pessoal.


Sem comentários: