… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quinta-feira, 16 de março de 2017

16 de março de 1190 • Massacre de judeus na Torre de Clifford, em York


16 de março de 1190 Massacre de judeus na Torre de Clifford, em York

Torre de Clifford, em York
A história resume-se nisto: Richard de Malbis (Richard Malebisse) devia dinheiro ao judeu Aaron of Lincoln (1125-1186). Como não queria pagar, a pretexto de um incêndio em York incitou os populares a atacarem um agente de Aaron of Lincoln e outros judeus. O líder da comunidade judaica, o Rabbi Yom Tob pediu, por isso, refúgio para si e para mais judeus no Castelo de York, que nessa época era de madeira. A multidão cercou o castelo durante vários dias até que neste dia 16, de março de 1190, o castelo ardeu. Uns morreram com o fogo, outros mataram-se para não se entregarem à multidão enfurecida e os que se renderam foram massacrados, apesar da promessa de clemência. Terão morrido entre 150 e 500 judeus neste episódio.

No castelo atual, que é de construção posterior e está em ruínas, lê-se numa placa:

“Na noite de 16 de março de 1190, sexta-feira, cerca de 150 judeus e judias de York, tendo pedido proteção ao Castelo Real contra a multidão atiçada por Richard de Malbis (Richard Malebisse) e outros, preferiram morrer às suas próprias mãos a renunciar à sua fé”.

Anteriormente existia nesta zona uma fortificação de madeira. A Torre de Clifford, em York, tem a forma "quatrefoil", isto é, trevo de quatro folhas, única em toda a Inglaterra. Este local está carregado de história, com perseguições e massacre de 150 judeus em 1190. Ao longo de vários anos serviu como prisão militar. Em 1322 Roger de Clifford que era um Barão que se revoltou contra o Rei Eduardo II, depois de ser gravemente ferido na batalha que perdeu foi aqui encarcerado e enforcado, tendo assim a torre herdado o seu nome.

****

Fontes Utilizadas:
Vários “Sítios” e enciclopédias na Internet e ainda algumas obras em papel.
Respigado daqui e dali.

Carlos António da Rocha

Este texto é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está escrito com o Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicado nem utilizado para fins comerciais; seja utilizado exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: