… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

domingo, 23 de abril de 2017

23 de abril de 536 a. C. • Daniel, o profeta de Deus



23 de abril de 536 a. C. Daniel, o profeta de Deus
Gravura de visão de Daniel no capítulo 7 por Matthäus Merian, 1630. 

Às vezes, Deus, diz-nos de antemão o que vai acontecer. Em 536 a. C. era Daniel um homem muito idoso que vivia na Pérsia. Ele tinha sido deportado de Jerusalém sessenta e nove anos antes, com o primeiro grupo de prisioneiros judeus e levados para a Babilónia. Daniel tinha desempenhado as mais altas funções no governo da Babilónia sob Nabucodonosor, sob Dario, o medo, e talvez também sob Ciro, o rei da Pérsia. Sob Nabucodonosor, Daniel tornou-se o governador da província de Babilónia. Belsazar, filho de Nabucodonosor, designou-o terceiro dominador no governo do seu reino, e Dario fez dele um dos três presidentes a quem os seus 120 sátrapas prestavam contas.



Três anos antes de 536 a. C., depois de um tempo de oração e de rogos, com jejum, e saco e cinza por causa dos pecados do seu povo, recebeu Daniel uma visão do anjo Gabriel que lhe deu uma mensagem que incluía o calendário dos futuros eventos na história do povo de Deus (Dn 9:20-27).



Agora, mais uma vez, Daniel estava em oração e em rogos, com jejum, e saco e cinza. Ele orava especialmente por uma maior compreensão das visões que já havia recebido. Durante três semanas, enquanto orava, não comeu manjar desejável ou carne nem bebeu vinho. Então, de repente, neste dia, 23 de abril de 536 a. C., quando ele estava de pé à borda do grande rio Hidequel levantou os seus olhos e viu uma visão de “um homem vestido de linho, e os seus lombos cingidos com ouro fino de Ufaz: E o seu corpo era como turquesa, e o seu rosto parecia um relâmpago, e os seus olhos como tochas de fogo, e os seus braços e os seus pés como cor de bronze açacalado; e a voz das suas palavras como a voz de uma multidão.” (Dn 10:4-6).



Daniel foi a única pessoa que viu esta visão. Os homens que estavam com ele não viram nada, mas ficaram tão apavorados que fugiram para se esconder. Então Daniel foi deixado sozinho para assistir a esta impressionante visão. Ele começou a sentir-se muito fraco, e quando o homem começou a falar, Daniel desmaiou, caindo de bruços no chão. Em seguida, a mão do homem tocou Daniel e levantou-o, e fez que ele se movesse sobre os seus joelhos e sobre as palmas das suas mãos. O homem disse: “Daniel, homem mui desejado, está atento às palavras que te vou dizer, e levanta-te sobre os teus pés; porque eis que te sou enviado.“ (Dn 10:11). E quando ele disse isto a Daniel, Daniel levantou-se, ainda tremendo de medo.



Então o homem disse: “Não temas, Daniel, porque, desde o primeiro dia em que aplicaste o teu coração a compreender e a humilhar-te perante o teu Deus, são ouvidas as tuas palavras; e eu vim por causa das tuas palavras. Mas o príncipe do reino da Pérsia se pôs defronte de mim, vinte e um dias, e eis que Miguel, um dos primeiros príncipes, veio para ajudar-me, e eu fiquei ali com os reis da Pérsia. Agora vim para fazer-te entender o que há de acontecer ao teu povo nos derradeiros dias; porque a visão é ainda para muitos dias.” (Dn 10: 12-14).



Foi então mostrado a Daniel um sumário dos futuros reis do Império Persa (Dn 11:2) e manifestado o aparecimento de Alexandre, o Grande (11: 3) e a divisão do reino de Alexandre em quatro reinos inferiores (Dn 11:4). A seguir foi dito a Daniel da luta contínua entre a Síria (o rei do norte) e o Egito (o rei do sul) a partir de 323 a 167 a. C. quando Antíoco IV Epifânio, o governante sírio, ergueu um altar a Zeus em cima do altar de bronze no templo em Jerusalém e então ofereceu um porco como um sacrifício (Dn 11:5-32). Isto é seguido por uma descrição da revolta dos Macabeus em que os judeus foram capazes de obter a independência da Síria (Dn 11:35).



A visão, em seguida, avança rapidamente para o futuro Anticristo, uma pessoa semelhante a Antíoco Epifânio, em muitos aspectos, e descreve as batalhas do fim dos tempos (Dn 11:36-12:13).



A mensagem a Daniel e próprio livro termina com as palavras “E tu, Daniel, segue fiel até ao fim. Depois de morreres, hás-de ressuscitar novamente, para receberes a recompensa no fim dos tempos.” (Dn 12:13).



Quando Deus descreve o futuro, o que é que isso lhe diz sobre Ele? Deus não é apenas o autor da Bíblia, mas é também o autor da história: do passado, do presente e do futuro.



Deus, o Altíssimo, tem domínio sobre os reinos dos homens, e a quem quer constitui sobre eles.” (Dn 5:21)


****

Fontes Utilizadas:
Vários “Sítios” e enciclopédias na Internet e ainda algumas obras em papel.
Respigado daqui e dali.

Carlos António da Rocha

Este texto é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está escrito com o Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicado nem utilizado para fins comerciais; seja utilizado exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: