… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quarta-feira, 5 de abril de 2017

5 de abril de 30 • RESSUSCITOU!



5 de abril de 30 RESSUSCITOU!
5 de abril do ano 30 ou 32 da nossa era. Era domingo. E, muito de madrugada neste dia, Maria Madalena e várias outras mulheres foram ao sepulcro de Jesus. Para sua grande surpresa encontraram que a pedra que tapava a entrada tinha sido removida. Ao entrar no sepulcro não acharam o Seu corpo, só os lençóis de linho com os quais tinha sido amortalhado e o sudário que cobria a Sua cabeça, enrolado à parte. Elas não podiam compreender o que tinha ocorrido ao corpo do Senhor.



Logo, de súbito lhes apareceram dois anjos, com vestidos resplandecentes, e como as mulheres, “... estando elas muito atemorizadas, e abaixando o rosto para o chão, eles lhes disseram: Por que buscais o vivente entre os mortos? Não está aqui, mas ressuscitou. Lembrai-vos como vos falou, estando ainda na Galileia, Dizendo: Convém que o Filho do homem seja entregue nas mãos de homens pecadores, e seja crucificado, e ao terceiro dia ressuscite. E lembraram-se das suas palavras. E, voltando do sepulcro, anunciaram todas estas coisas aos onze e a todos os demais. E as suas palavras lhes pareciam como desvario, e não as creram. Pedro, porém, levantando-se, correu ao sepulcro, e, abaixando-se, viu só os lençóis ali postos; e retirou-se, admirando consigo aquele caso.” (Lucas 24:5-9,11 e 12).



“E eis que, no mesmo dia, iam dois deles para uma aldeia, que distava de Jerusalém sessenta estádios, cujo nome era Emaús; e iam falando entre si, de tudo aquilo que havia sucedido. E aconteceu que, indo eles, falando entre si e fazendo perguntas um ao outro, o mesmo Jesus Se aproximou, e ia com eles: Mas os olhos deles estavam como que fechados, para que O não conhecessem. E Ele lhes disse: Que palavras são essas que, caminhando, trocais entre vós, e por que estais tristes? E, respondendo um, cujo nome era Cleófas, disse-lhe: És Tu só peregrino em Jerusalém, e não sabes as coisas que nela têm sucedido nestes dias? E Ele lhes perguntou: Quais? E eles lhe disseram: As que dizem respeito a Jesus o nazareno, que foi varão profeta, poderoso em obras e palavras diante de Deus e de todo o povo: e como os principais dos sacerdotes, e os nossos príncipes, O entregaram à condenação de morte, e O crucificaram. E nós esperávamos que fosse Ele o que remisse Israel; mas agora, sobre tudo isso, é já hoje o terceiro dia desde que essas coisas aconteceram. É verdade que, também, algumas mulheres, de entre nós, nos maravilharam, as quais de madrugada foram ao sepulcro; E, não achando o Seu corpo, voltaram, dizendo que também tinham visto uma visão de anjos, que dizem que Ele vive: E, alguns dos que estavam connosco foram ao sepulcro, e acharam ser assim, como as mulheres haviam dito; porém a Ele não o viram. E Ele lhes disse: Ó néscios, e tardos de coração para crer tudo o que os profetas disseram! 26Porventura não convinha que o Cristo padecesse estas coisas, e entrasse na Sua glória? E, começando por Moisés, e por todos os profetas, explicava-lhes o que dEle se achava em todas as Escrituras. E chegaram à aldeia para onde iam, e Ele fez como quem ia para mais longe. E eles O constrangeram, dizendo: Fica connosco, porque já é tarde, e já declinou o dia. E entrou para ficar com eles. E aconteceu que, estando com eles à mesa, tomando o pão, o abençoou e partiu-o, e lho deu. Abriram-se-lhes então os olhos, e O conheceram, e Ele desapareceu-lhes. E disseram um para o outro: Porventura não ardia em nós o nosso coração quando, pelo caminho, nos falava, e quando nos abria as Escrituras? E na mesma hora, levantando-se, tornaram para Jerusalém, e acharam congregados os onze e os que estavam com eles; Os quais diziam: Ressuscitou verdadeiramente o Senhor, e já apareceu a Simão. E eles lhes contaram o que lhes acontecera no caminho, e como deles foi conhecido no partir do pão. E, falando eles destas coisas, o mesmo Jesus Se apresentou, no meio deles, e disse-lhes: Paz seja convosco. E eles, espantados e atemorizados, pensavam que viam algum espírito. E Ele lhes disse: Por que estais perturbados, e por que sobem tais pensamentos aos vossos corações? Vede as Minhas mãos e os Meus pés, que sou Eu mesmo: apalpai-Me e vede; pois um espírito não tem carne nem ossos, como vedes que Eu tenho. E, dizendo isto, mostrou-lhes as mãos e os pés. E não o crendo eles ainda, por causa da alegria, e estando maravilhados, disse-lhes: Tendes aqui alguma coisa de comer? Então eles apresentaram-lhe parte de um peixe assado e um favo de mel. O que Ele tomou e comeu diante deles. E disse-lhes: São estas as palavras que vos disse, estando ainda convosco: Que convinha que se cumprisse tudo o que de Mim estava escrito na lei de Moisés, e nos profetas e nos salmos. Então abriu-lhes o entendimento, para compreenderem as Escrituras. E disse-lhes: Assim está escrito, e assim convinha que o Cristo padecesse, e ao terceiro dia ressuscitasse dos mortos, e em Seu nome Se pregasse o arrependimento e remissão dos pecados, em todas as nações, começando por Jerusalém. E destas coisas sois vós testemunhas.” (Lucas 24:13-48).



Você crê que Jesus ressuscitou de entre os mortos? Se não crê, então como explica o crescimento do Cristianismo e o que Seus discípulos assegurassem que O viram vivo, ressuscitado, e que estiveram dispostos a morrer pelas suas convicções?



“E que foi sepultado, e que ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras, e que foi visto por Cefas, e depois pelos doze. Depois foi visto, uma vez, por mais de quinhentos irmãos, dos quais vive, ainda, a maior parte, mas alguns já dormem, também.” (I Coríntios 15:4-6)



****

Fontes Utilizadas:
Vários “Sítios” e enciclopédias na Internet e ainda algumas obras em papel.
Respigado daqui e dali.

Carlos António da Rocha

Este texto é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está escrito com o Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicado nem utilizado para fins comerciais; seja utilizado exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: