… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quinta-feira, 18 de maio de 2017

18 de maio de 1864 • César Malan, pregador reformado e músico sacro suíço



18 de maio de 1864 César Malan, 

pregador reformado e músico sacro suíço
César Malan, pregador reformado suíço, nasceu em Genebra em 7 de julho de 1787 e morreu no dia de hoje, 18 de maio de 1864, em Vandœuvres, no cantão de Genebra.



Embora alguns de seus antepassados tenham sido perseguidos por causa da sua fé, Henri Abraham César (ou César Henri Abraham) Malan cresceu num ambiente dominado pelo Iluminismo, prestando nenhuma atenção ao Cristianismo. Du-rante a sua infância a sua mãe exerceu sobre ele alguma influência a favor do Cristianismo. Seu pai, porém, infundiu-lhe os conceitos da razão e do bom senso, típicos dos séculos XVIII e XIX. Após completar a sua educação básica na Suíça, Malan foi para Marselha, na França, a fim de estudar administração, pretendendo ser comerciante. Mas depois, ele entrou na Academia em Genebra, e preparou-se para o ministério. Foi ordenado pastor na Igreja de Genebra em 1810, aos vinte e três anos de idade. Naquele período havia uma forte influência do Unitarismo sobre aquela igreja. Somente seis anos após a sua ordenação, em 1816, é que Malan se converteu ao Cristianismo através da leitura de Romanos 6:10: “Pois, quanto a ter morrido, de uma vez morreu para o pecado, mas, quanto a viver, vive para Deus” e Efésios 2:8: “Por-que pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus.” Após ler estes versículos bíblicos Malan exclamou com alegria e segurança: “Sou salvo! Sou salvo!”



Após a sua conversão Malan tornou-se um ardente evangelista. Malan passou a pregar em Genebra a justificação somente pela fé. Por causa disto entrou em conflito com os colegas pastores orientados pelo racionalismo, que lhe negaram o púlpito e o serviço escolar. As suas pregações criaram animosidade com a sua igreja. Malan foi proibido de pregar. Em 1828, quando discordou destas ordens, foi destituído do ministério e expulso da Igreja de Genebra. Isso não o impediu de continuar no serviço cristão.



Ele entrou em contato com o movimento de Ré-veil que, segundo o exemplo de metodistas, queria uma Igreja independente, fundamentada na inspiração da Bíblia, e disposta para a evangelização. Os adeptos deste movimento eram chamados de “momiers” (comediantes). Juntamente com um pequeno grupo de fiéis Malan construiu uma capela, a Eglise de Témoignagne, no jardim da sua casa e ali pregou durante 43 anos. Não se filiou à independente Eglise du Bourg de four que então já se havia formado. Por isso grande número dos seus seguidores o abandonou em 1830. E, então, depois disto, Malan envolveu-se em constantes viagens missionárias. Viajou como evangelista livre por Inglaterra, Escócia, Bélgica, Holanda e França. Numa de suas viagens encontrou a poetiza Charlotte Elliot, e ajudou-a a entregar a sua vida a Cristo.



César Malan é autor da música do hino: “Ó minh'alma, espera em teu Senhor” composta em 1827, cuja letra é deJohann Friedrich Räder (1815-1872). Outras músicas da sua autoria são: Hendon, Rosefield, Silchester e Welton. Foi também o com-positor de um grande número de hinos, mais de mil, provavelmente. Malan é considerado um dos grandes compositores de hinos em francês, alguns deles ainda são cantados hoje. Ele alicerçou o seu trabalho evangelístico com tratados (folhetos) e com a música composta por ele, principalmente a dos hinos dos “300 Chants de Sion”.



Malan manteve contato com diversos pastores e cristãos de relevo do seu tempo. O evangelista esco-cês Robert Haldane foi uma das suas influências. O ministro protestante suíço e historiador da Reforma Jean-Henri Merle d’Aubigné, autor da “História da Reforma” era seu amigo. Malan recebeu Charles Haddon Spurgeon em Genebra em 1860. Uma das suas filhas casou-se com o missionário norte-americano James Cooley Fletcher.



****

Fontes Utilizadas:
Vários “Sítios” e enciclopédias na Internet e ainda algumas obras em papel.
Respigado daqui e dali.

Carlos António da Rocha

Este texto é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está escrito com o Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicado nem utilizado para fins comerciais; seja utilizado exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: