… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sexta-feira, 28 de julho de 2017

28 de julho



William MacDonald
Um dia de cada vez
28 de julho


“Deixe o ímpio o seu caminho, e o homem maligno os seus pensamentos, e se converta ao SENHOR, que Se compadecerá dele; torne para o nosso Deus, porque grandioso é em perdoar.” (Is 55:7, ARC, Pt)


O pecador tremelicante teme que Deus não o receba. Aquele que peca e se arrepende do pecado, uma e outra vez, duvida que Deus o possa perdoar mais. Mas este nosso versículo recorda-nos que aqueles que se voltam para o Senhor, Este dá-lhes as boas-vindas com pródiga misericórdia e abundante perdão.



Isto ilustra-se com uma história que sai nos jornais periodicamente através dos anos, uma história em que os pormenores mudam mas a mensagem perdura. É a respeito de um filho rebelde que deixou a sua casa, foi para New York, viveu em pecado e vergonha e finalmente foi arrojado no cárcere. Depois de quatro anos de aí estar, foi posto em liberdade condicional e quis voltar para sua casa. Mas estava torturado com o temor de que o seu pai não o recebesse. Não poderia enfrentar a desilusão de ser rechaçado.



Finalmente, escreveu ao seu pai sem remetente. Dizia-lhe que estaria no comboio na sexta-feira seguinte. Se a família ainda o queria, devia atar um lenço branco no carvalho do pátio da frente da casa. Se não visse o lenço quando o comboio passasse, prosseguiria viagem sem se apear.



Já no comboio, rude e retraído, temia o pior. Sucedeu que vinha um cristão sentado atrás dele. Depois de vários intentos infrutíferos, o cristão finalmente obteve que ele lhe abrisse o seu coração e lhe contasse a sua história. Estavam agora a cinquenta milhas do lar. O pródigo que retornava flutuava entre o temor e a esperança. Quarenta milhas. Pensava na desgraça que havia trazido aos seus pais e como tinha quebrado os seus corações. Trinta milhas. Os anos desperdiçados passavam pela sua mente. Vinte milhas. Dez milhas. Cinco milhas.



Finalmente a casa estava à vista. Sentou-se surpreso. O carvalho estava todo coberto com tiras brancas de tecido revoando loucamente na brisa. Levantou-se, baixou a sua bagagem e preparou-se para descender na estação.



A árvore assemelha-se à Cruz. Com os braços abertos e adornado com inumeráveis promessas de perdão, chama o pecador arrependido para que volte para o lar, pois que é bem-vindo à casa do Pai! Que ilimitado perdão quando o pródigo volta!



Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: