… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sexta-feira, 28 de julho de 2017

28 de julho



Oswald Chambers
My Utmost for His Highest

28 de julho  O PROPÓSITO DE DEUS OU O MEU?


“E logo obrigou os seus discípulos a subir para o barco, e passar adiante, para a outra banda …” (Mc 6:45, ARC, Pt)

Nós temos tendência para pensar que, se Jesus Cristo nos obriga a fazer alguma coisa e nós Lhe obedecermos, Ele nos levará a um grande êxito. Nunca devemos ter o pensamento de que os nossos sonhos de êxito são o propósito de Deus para nós. De facto, o Seu propósito pode ser exatamente o oposto. Temos a ideia de que Deus nos está levando para um fim específico ou para uma meta desejada, mas Ele não está. A questão de saber se vamos ou não chegar a uma meta específica é de pouca importância e alcancá-la torna-se meramente num episódio ao longo do caminho. O que nós vemos só como o processo para se alcançar um fim particular, Deus vê-o como a própria meta.



Qual é a minha visão do propósito de Deus para mim? O Seu propósito é que eu dependa dEle e do Seu poder agora. Se eu consigo manter-me calmo, firme e despreocupado, no meio da tempestade da vida, o objetivo do propósito de Deus está sendo realizado em mim. Deus não está operando em direção a uma meta particular— o Seu propósito é o processo em si. O que Ele deseja para mim é que eu O veja “caminhando por cima do mar”, sem nenhuma praia, sem nenhum êxito, ou meta à vista, mas simplesmente tendo a certeza absoluta de que está tudo bem, porque eu O vejo “andando sobre o mar” (Mc 6:49). É o processo, não o resultado, o que glorifica a Deus.



O treino de Deus é para já, não para mais tarde. O Seu propósito é para este mesmo minuto, não em alguma ocasião no futuro. Não temos nada a ver com o que vem depois da nossa obediência, e estamos errados se nos preocuparmos com isso. Aquilo que as pessoas chamam de preparação, Deus vê-o como a própria meta.



O propósito divino é capacitar-me para que veja que Ele pode caminhar sobre as tormentas da minha vida precisamente agora. Se temos um objectivo posterior em mente, não estamos prestando a suficiente atenção no tempo presente. No entanto, se nos damos conta de que a obediência momento-a-momento é o objetivo a atingir, então cada momento seja ele como for, é precioso.


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: