… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

domingo, 30 de abril de 2017

O hábito de George Müller


 O Hábito
de
George Müller

Há pelo menos dez anos que eu tenho um hábito: todos os dias, assim que me visto, de manhã, passo algum tempo em oração.

No entanto, percebi que o mais importante é voltar-me para a leitura da Palavra de Deus, acompanhada de meditação, para que meu coração seja consolado, encorajado, advertido, reprovado, instruído...

A primeira coisa que fiz, depois de pedir, em poucas palavras, a bênção de Deus, foi começar a meditar na Palavra de Deus, procurando-a em cada versículo. O meu objetivo não era extrair dela a bênção, nem beneficiar o ministério público da Palavra, nem pregar sobre o que meditei, mas buscar alimento para a minha própria alma.

Descobri que o resultado, quase sempre, é que, após alguns minutos, minha alma é levada à confissão, ao agradecimento, à intercessão ou à súplica, de modo que, embora não esteja orando, no sentido estrito do termo, e, sim, meditando, acabo, quase que de imediato, voltando-me para a oração.

Quando, dessa maneira, permaneço por algum tempo em confissão, intercessão, súplica ou agradecimento, prossigo lendo o versículo. Transformo tudo, enquanto avanço, em orações por mim ou pelos outros, conforme a Palavra me guia, mas continuando a manter diante de mim que o objetivo da minha meditação é obter alimento para a minha própria alma. O resultado é que ... o meu homem interior é, quase sempre, adequadamente alimentado e fortalecido. ...

George Müller, Primavera de 1841, Bristol, Inglaterra

George Müller (alemão - nascido como: Johann Georg Ferdinand Müller) (27 de setembro de 1805 - 10 de Março de 1898)

Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: